Visitas: 12
0 0
Tiempo de lectura:57 Segundos

Por Lucía Wasserman

No outono de minha vida sou uma folha encharcada de chuva unida fragilmente a um galho, alimentado pelas raízes profundas de um tronco esguio.

O sopro longo outonal amarelou as árvores, e o vento soergueu, volveu e revolveu as folhas tal qual o revoar de pássaros embriagados.

Me agarro a vida, e luto pela minha sobrevivência , antes que a chuva e o sopro longo do vento me arranque, e me Junte as caídas ao solo, me transforme em cor de ferrugem, e me  manche da lama da terra úmida e fria.

Ao meu lado árvores despidas de troncos nus, onde os pássaros calaram e as nuvens cinzentas prenunciam o longo e impiedoso inverno.

Outono da nostalgia e da doçura, de mudanças e novas esperanças.

É a hora em que a natureza hiberna se transforma e descansa.

E Eu, também mudei. Já não sou quem eu era. O que sonhei só em parte concretizei

E mesmo o que hoje sou, amanhã direi: Quem me dera volver a sê-lo…

Mas na natureza o vento sopra, as primeiras chuvas chegam e a cada ano Um novo ciclo se renova.

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *